terça-feira, 22 de janeiro de 2008

O Rico e Lázaro

Satanás tem deturpado o entendimento sobre Deus no coração humano. A maioria dos cristãos não conhece Deus como Ele é. Por isso estou continuando a série de considerações sobre as parábolas de Jesus. Há porém algo que é necessário dizer quanto às parábolas: elas descrevem situações muito simples, mas para entendê-las é preciso lembrar que tratam de condições eternas, porque Deus não vive em 'tempo'.

Dentro desse princípio, eu gostaria que você me acompanhasse aqui em algumas considerações sobre a Parábola do Rico e Lázaro (Lucas 16:19-21). Para ser exato, este ensinamento de Jesus não é propriamente uma parábola, mas uma revelação da vida 'em espírito'. Ao enfocar o 'rico' e o 'pobre' Jesus enfatiza a diferença 'de espírito' em um e outro que foi descrito pelo Espírito Santo - "o testemunho fiel e verdadeiro" nesses termos: "Dizes: Estou rico e abastado e não preciso de coisa alguma, e nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu" (Apoc.3:13,17), É claro que os valores espirituais - o que você e eu somos 'em espírito' - são os únicos que servem para nosso relacionamento com o Altíssimo.

O que é lamentável é que há pessoas que têm interpretado o v25: "Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida e Lázaro igualmente os males" como se Jesus ensinasse que é o pobre que vai para o Céu, e o rico que vai para o inferno, justificando assim na concepção deles, o 'voto de pobreza'. Isso é uma conjectura totalmente errada, como veremos, a seguir. Por focalizarem os 'momentos' e 'interesses' da vida aqui de forma tão restrita, os 'interpretes' deste ensinamento perdem o enfoque eterno. O que Jesus enfatiza por este ensinamento são as 'condições', a 'mudança', e a 'permanência' (imutabilidade eterna) do 'espírito do homem' que é vida agora, aqui na trajetória terrena, em contraste com a vida para todo o sempre no 'além'.

Dessa forma, Jesus revela que a morte física do homem não significa 'deixar de existir', pois "Ao morrer, o mendigo (Lázaro) foi levado pelos anjos para o seio de Abraão e ao morrer também o rico, foi sepultado"(v.22). O que necessitamos entender é que após a morte, o espírito do homem ou ficará em 'descanso' ou em 'tormento' para todo o sempre, dependendo da maneira que o espírito é 'valorizado' e 'respeitado' durante a vida aqui.

Quanto ao 'descanso' do mendigo, temos de entender que, antes da ressurreição de Jesus, havia 'o seio de Abraão' para aqueles que morreram 'na fé', e 'o lugar de tormento' (v28) para os demais. Depois da morte e ressurreição de Jesus, porém, aqueles que crêem nEle vão para o 'Paraíso' junto a Jesus, como o Mestre mesmo afirmou para o malfeitor arrependido (Lc.23:43). Em Apoc. 20:13, o lugar de tormento é chamado de 'o além' que neste ensinamento de Jesus é 'além do grande abismo' (Luc.16:26).

É muito importante a referência 'ao grande abismo' pois Jesus mostra claramente que após a morte não há como se mudar de um lugar para outro. Isso expõe o erro da doutrina do purgatório e coisas semelhantes que não têm nenhum fundamento bíblico e enganam os religiosos que pregam a possibilidade de 'chance de mudança ou purificação' depois da morte física.

É interessante que Jesus não especifica, neste ensinamento, como se chega a esses lugares diferentes, pois o objetivo é enfatizar a grande diferença entre a vida do espírito em eterno descanso e a existência terrível do espírito em eterno tormento. Quanto ao 'tormento' é convém observar que 'tormento' não é castigo de Deus, como se isso desse prazer ao Altíssimo, pois Deus diz enfaticamente "Não tenho prazer na morte do perverso"(Ezeq. 33:11). Deus fez o homem para viver em comunhão eterna com Ele, portanto, o 'tormento' é a conseqüência de uma 'opção de espírito' que faz com que a pessoa despreza a graça e rejeita o perdão e misericórdia de Deus, como foi o caso do 'Credor Incompassivo' (Mat. 18:34).

Temos de nos conscientizar de que a 'Graça de Deus' é igual para todos, independente de seu status social. O rico que "recebeu os seus bens (favores) em sua vida" (v.25), "que todos os dias se regalava esplendidamente" (v19), não percebeu que a 'fascinação da riqueza' (Mc.4:19) lhe roubava o descanso eterno que somente vem por fé. Este é um engano muito comum, pois não há talvez, nada mais efetivo que 'as riquezas' para destruir a fé e a vida 'em espírito'. Por isso Jesus disse claramente: "Não podeis servir a Deus e as riquezas"(Lc.16:13). Isso mostra, sem dúvida, o engano da doutrina de prosperidade que considera os bens materiais como evidência da bênção de Deus. Jesus disse claramente: "Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui"(Lc.12:15). Como o rico focalizado neste ensinamento descobriu, a riqueza não somente nada valeu para sua 'saúde espiritual' - a bem-aventurança em Deus - na terra, mas o deixou na maior miséria na vida do além. Nos túmulos egípcios há magnífica riquezas materiais, mas o espírito do homem não se beneficia de nada material nem agora nem no além.

A situação do mendigo, no entanto, foi totalmente diferente, pois, ele nada possuía para o enganar quanto à vida interior. Por descrever as péssimas circunstâncias em que o mendigo vivia "à porta do rico, desejando alimentar-se das migalhas que caíam da mesa do rico"(v20,21), Jesus procura mostrar que a vida 'em espírito' - a vida verdadeira, não depende em nada das condições físicas, naturais da vida aqui na terra. Vida, em termos de Deus, é comunhão íntima - 'em espírito' - com o Altíssimo e por isso Jesus disse que o mendigo foi consolado e "levado pelos anjos para o 'seio de Abraão"(v22), pois a fé que dá vida - a fé salvadora, é a única coisa que produz descanso interior. Devemos nos conscientizar de que a fé e a Graça são condições e benefícios do nosso espírito, e nada têm a ver com as circunstâncias da vida. Não é o sofrimento que gera fé. "Deus repartiu a medida da fé a cada um" (Rm.12:3), tanto ao rico quanto ao pobre. Por isso o Evangelho é a declaração da obra redentora de Jesus que, uma vez aceito em nosso espírito, faz com que "o justo viverá por fé" (Rm.1:16.17), no descanso de espírito independente da situação em que se achar. Por isso o apóstolo Paulo afirmou: "Aprendi a viver contente (totalmente descansado) em toda e qualquer situação"(Fil.4:11).

Será que você tem absoluta consciência da importância de viver em espírito e em verdade, a fé que Deus te deu, em toda e qualquer situação?

Dizemos que nesta 'parábola' do rico e Lázaro, Jesus trata de condições, mudanças e permanência da vida 'em espírito' tanto na vida aqui quanto depois da morte física. Assim precisamos considerar primeiro as condições e as mudanças da vida do rico comparado com as da vida do mendigo.

Quanto à condição do mendigo observamos que aqui a sua vida 'em espírito' não foi influenciada pelas péssimas condições físicas, pois "Lázaro, que coberto de chagas, jazia à porta do rico e desejava alimentar-se das migalhas que caiam da mesa do rico, e até os cães vinham lamber-lhe as chagas" (v.20,21), tinha algo 'em espírito' que o rico desconhecia. E se você achar um tanto 'repugnante' a descrição do estado físico do mendigo, é claro que Jesus está mostrando o contraste entre a vida miserável, porém 'temporária' da condição física, com a glória e permanência do descanso eterno 'no seio de Abraão', na glória do "estar consolado"(v25). Dizemos a 'glória' desta 'consolação', pois o descanso eterno não é algo 'apagado' ou 'insignificante', pois "Os que foram sábios (em Deus) resplandecerão, como o fulgor do firmamento" (Dan.12:3).

Quando Paulo fala da grandeza de ser "ressuscitado juntamente com Cristo"(Col. 3:1) que, na prática, é ser libertado, 'em espírito', de tudo o que é terreno(v.2), ele diz: "Quando Cristo, que é a nossa vida, Se manifestar, então vós também sereis manifestados com Ele, em glória"(v.4). A 'glória' eterna - celeste - nada tem a ver com o terreno, natural ou material. Por isso Paulo diz também que o Senhor "transformará o nosso corpo de humilhação (tipo mendigo à porta do rico), para ser igual ao corpo da Sua glória" (Fil. 3:21). Não é de admirar, então, que o 'rico em tormento' observasse - tomasse conhecimento - de Lázaro em descanso eterno. Em razão disso ele entendeu que homem tão 'resplandecente assim' tinha toda condição de aliviar o seu tormento. O rico em tormento podia ver a grandeza de Lázaro no descanso e isto, certamente, foi motivo de tormento para ele. O mais importante, porém, é observar que, o 'descanso' de Lázaro não podia ser 'perturbado' nem 'interrompido' por nada. E nesse sentido é importante observar que na Bíblia Sagrada não há nada que justifica a idéia de que os santos no Céu têm condições de fazer nada em nosso favor. Para isso Deus tem os anjos para 'servirem a nós'(Hb.1:14). Durante a sua vida esplendida, o rico ignorava o mendigo, mas na condição eterna, Lázaro nem sequer tomava conhecimento da terrível situação do rico em tormento.

A condição de espírito do rico no além, é totalmente inverso da sua vida aqui quando ele "se vestia de púrpura e de linho finíssimo (trajes de rei), e que todos os dias se regalava esplendidamente" (v.19), sem nada fazer em termos de seu espírito. E depois? Quem pode avaliar a condição de tormento eterno onde não há mais a possibilidade de misericórdia? "Pai Abraão! Estou atormentado nesta chama"(v35). Na vida aqui nunca faltou coisa alguma para o rico, mas no eterno só havia falta: até faltava para sempre um pouco de água para 'refrescar-lhe' a língua. No tormento eterno não há nenhum alivio, nenhum refúgio, nenhum consolo; só remorso eterno na consciência de graça desprezada e perdão rejeitado.

A mudança que ocorre na condição daqui e do 'além', nos dois casos é impressionante! O que Jesus enfatiza é que devemos ter muito cuidado como levamos a vida em termos do nosso espírito. Quais são os verdadeiros valores da nossa vida? Será que vivemos apenas para o momento, cuidando das coisas temporais em prejuízo aos eternos, valorizando o material em prejuízo ao espiritual?

Certamente não existe 'tormento maior' que se achar no 'além', consciente de ter perdido tudo, isto é, sem nenhuma possibilidade de reverter a situação. Adianta 'se regalar esplendidamente' agora, para 'viver em eterno tormento' depois?. As condições físicas não satisfazem o nosso espírito, e é o espírito do homem que é inquieto, sempre à procura de descanso. Por quê? Porque é só em Deus que o nosso espírito se consola. Por isso o salmista disse: "Como suspira a corça pelas correntes das águas, assim, por Ti, ó Deus, suspira a minha alma" (Sl.42:1) "Bate-me excitado, o coração, faltam-me as forças"(Sl.38:10). O rico nada sabia disso durante a vida terrena, mas, certamente, esse 'suspiro interior' por 'reconciliação com Deus' deu ao mendigo a felicidade eterna.

Você tem consciência da importância de cuidar da sua 'saúde espiritual' na prática de cada dia? A fé - plena confiança de que 'tudo está feito' por você em Cristo - dá descanso ao seu 'homem interior'?

Temos considerado a diferença de condição eterna do mendigo salvo e do rico perdido, e que a condição eterna - que jamais mudará - é determinada pela vida interior: vida 'em espírito e em verdade', de cada um, durante a sua passagem aqui na terra.

Muitas pessoas não entendem que quando Deus fez o homem, Ele o fez para sempre: eterno, dando-lhe a faculdade de decidir, por ele mesmo, se vai viver eternamente com o Altíssimo ou separado dEle. Não que Deus 'predeterminou' isso em cada caso, mas, diferente do animal, Deus nos deu o livre-arbítrio sobre a nossa vida, isto é: a maneira que vivemos agora e como viveremos na eternidade, é decidida por nós, não por Deus.

O que é claro, no entanto, é que ao exercer o livre-arbítrio em rebeldia contra o que Deus estabelecera para o bem-estar eterno do homem, Adão fez com que todos nós nascemos sob a escravidão de Satanás. Por isso Deus faz um apelo a cada um de nós durante a nossa vida aqui na terra: "Convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois, por que haveis de morrer?" (Ezeq. 33:11). A morte veio sobre nós pelo homem(Adão), não por Deus. Uma vez que o homem aceita por fé a obra redentora de Cristo. ele é liberto(Gál. 5:1) da escravidão de Satanás e tem novamente o livre-arbítrio de fé para decidir o seu próprio futuro eterno.

Para enfatizar a natureza da responsabilidade pessoal de fé para nossa própria salvação, Jesus apresenta uma 'conversa' entre o rico em tormento e Abraão: "Pai, eu te imploro que mandes Lázaro à minha casa paterna, porque tenho cinco irmãos; para que lhes dê testemunho a fim de não virem também para este lugar de tormento. Respondeu Abraão: Eles têm Moisés e os profetas, ouçam-nos. Mas o rico insistiu: Não, pai Abraão, se alguém dentre os mortos foi ter com eles, arrepender-se-ão. Abraão, porém, lhe respondeu: Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tão pouco se deixarão persuadir, ainda que ressuscite alguém dentre os mortos" (v.27-31). E Jesus ressuscitou, mas os homens não crêem nEle. Não há entendimento da Verdade fora de Deus.

Já mostramos que no além nada se pode mudar, e que lá, não há como mudar nada, nem para si mesmo nem para os outros. E o que Jesus revela na conversa acima estabelece duas verdades fundamentais: 1) "Aos homens está ordenado morrerem uma só vez e, depois disto, o juízo" (Hb.9:27), mostrando claramente que há somente uma vida aqui na terra. 2) "Há um só Deus, e um só mediador entre Deus e os homens, Cristo Jesus, homem" (1 Tim.2:5). Ninguém no além tem condição de 'interceder' ou 'rogar' em nosso favor. É necessário nos conscientizar de que o único que morreu por nós, e portanto, pode dar-nos a Vida eterna, é Jesus.

. A Graça e a misericórdia de Deus têm de ser recebidas durante a nossa vida aqui na terra. O que Deus estabeleceu ninguém pode mudar. Assim, se, enquanto vivemos aqui, não aceitarmos o Evangelho - isto é que, Cristo fez tudo por nós - não há como sermos salvos das conseqüências da corrupção que Satanás implantou no coração de todos nós

2 comentários:

assembleiabelem disse...

Conheça nosso site, mensagens, videos, radios, forum, temas, livros gratis, PPs, Downloads, Papeis de Parede, blog, e temas importante da atualidade, Diversos Estudos, ..

http://www.assembleiabelem.br22.com

José Luiz disse...

Paz e graça! Belo texto, a palavra de Deus sempre se renova e nos mostra a cada dia algo novo para nossa vida. Deus seja contigo varão.