sábado, 26 de junho de 2010

Ilustrações

Um soldado lutava desesperadamente contra a bebida.
Ele havia chegado até tenente Coronel.
Mas, por causa da bebida ele foi rebaixado e rebaixado.
No final, ele voltou a ser apenas um soldado.
Ele sabia que se fosse achado de novo bêbado iria para a cadeia.
Um dia ele estava deitado no quartel quando um monge entrou.
O velho frade passou entre os soldados distribuindo literatura.
Quando ele chegou ao soldado, ele percebeu sua aflição.
O soldado mandou ele embora dizendo que não acreditava em Deus.
Mas, o frade continuou a falar. Ele disse que ele também havia lutado cotra a bebida.
Ele falou que conhecia um poder que poderia libertá-lo.
Ele deu um pequeno Novo Testamento para o soldado com as seguintes instruções:
“Cada vez que você sentir vontade de beber, tome seu Novo Testamento e leia o Evangelho. Antes de você terminar, o desejo passará.”
O soldado agradeceu, mas quando o frade foi embora, ele jogou o Novo Testamento na cabeceira e foi dormir.
Mais tarde ele acordou com um desejo infernal de beber.
Ele sentiu aquela força incontrolável, aquele desejo de mergulhar na bebida.
Quando ele estava se arrumando para ir ao bar, ele lembrou das palavras do frade.
Ele viu a Bíblia, pegou-a e começou a ler.
Em menos de meia hora ele havia lido vários capítulos.
E, o mais incrível – ele não queria mais beber.
Daquele dia em diante, cada vez que ele sentiu o desejo de beber, ele pegou a Bíblia e começou a ler o Evangelho.
Em pouco tempo ele deixou de vez de beber e ficou curado.
Aonde está o poder?
Se está em você, porque você ainda não venceu?
Por que você ainda está lutando com aquela tentação?
Se o poder está em Jesus, por que você não procura Ele?
Ou será que no fundo, no fundo, você realmente não quer mudar?
Se você quiser parar qualquer vício, vencer qualquer tentação, siga o conselho do frade – peque sua Bíblia e comece a ler o Evangelho. Pode ser Mateus, Marcos, Lucas ou João. Qualquer um serve. Se precisa ler todos, leia.
Importa apenas que você leia o Evangelho. Procure Jesus. E depois, continue procurando.
Prove isso, experimente e você verá o poder da Palavra de Jesus.
Mat 4:18-22
– Autor desconhecido

--------------------------------------------------------------------------------

Porque ovelhas não chafurdam


Era uma vez uma ovelinha que, junto com sua mãe, passava em frente de um chiqueiro todos os dias a caminho do pasto. Os porcos se divertiam tanto rolando na lama que num dia de muito calor a ovelinha pediu à mãe que a deixasse pular a cerca e chafurdar na lama fresca.
A mãe respondeu que não. A ovelinha fez a clássica pergunta: “Por que não?” A resposta foi simples: “Porque ovelhas não chafurdam.”
A ovelinha não se contentou. Achou que a mãe havia feito pouco caso dela e abusado de sua autoridade quando não devia. Assim que a mãe se afastou, a ovelinha correu para o chiqueiro e pulou a cerca. Sentiu a lama fria em seus pés, suas pernas e barriga. Pouco depois achou que já era hora de voltar para junto da mãe, mas não conseguiu! Estava presa!
Lama e lã não combinam. Seu prazer havia se transformado em prisão. A ovelinha estava desesperadamente presa em conseqüência de sua tolice. Ela pediu socorro e foi resgatada por um lavrador caridoso.
Depois de ter sido limpa e estar de volta ao aprisco, a mãe relembrou: “Não se esqueça de que ovelhas não chafurdam!”
O mesmo acontece com o pecado. Parece tão gostoso, tão fácil de ser abandonado quando bem entendermos. Mas não é assim! Os prazeres nos aprisionam. Os cristãos não devem chafurdar (2 Pedro 2:14-22)

Autor desconhecido

--------------------------------------------------------------------------------

O Cimento do Amor

Quando o salão do prédio onde a igreja se reúne foi construído foram usados centenas de tijolos. Um em cima do outro. Sem estes tijolos não teríamos este salão. Podemos até dizer que o tijolo é a matéria prima da construção numa edificação como esta. Mas, para levantar estas paredes, só é preciso de tijolos? Pode imaginar dezenas de tijolos um em cima do outro.
O que mais é preciso? Cimento. Pode imaginar estas paredes aqui, um tijolo em cima do outro, centenas de tijolos ao seu redor, mas sem cimento? Ou com cimento de má qualidade?
Nós somos os tijolos que Jesus usa para construir sua igreja. A palavra até nos chama de “pedras”. 1 Pedro 2:5 diz “também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual… ” Cada um de nós somos a matéria prima da edificação da Igreja de Jesus. Mas, há um material fundamental que nos mantém juntos – o amor. Este amor é o que? É a paciência, a consideração, a confiança um no outro. Sem o cimento do amor, todas estas pedras um dia caem. Basta o inimigo bater um pouco na parede que ela cede. Ele bate um pouco mais e ela cai para o chão.
Na verdade, o cimento que liga dois tijolos aqui em baixo na parede, é tão importante quanto o cimento e os tijolos ligados ali em cima. De fato, todos os tijolos desta parede estão de certa forma em contato com todos os outros. Todos dependem, uns dos outros – como nós dependemos uns dos outros.
Quando nós começamos a brigar, a discutir, a medir ou até retirar nosso amor uns dos outros, o que é que acontece? A parede começa a ceder. Alguns tijolos começam a cair. Basta uma rachadura aqui, e outro ali, e outro ali, e em pouco tempo, a casa toda cai. Por outro lado, basta que o cimento que segura os tijolos seja bem feito, bem forte, e todos ficam juntos. Podem resistir qualquer investida do inimigo.
Você não tem que segurar todos os irmãos na igreja. Você não tem que visitar todos.
Mas, você tem que amar pessoalmente aqueles que Deus colocou próximo de você.
Tem que tratar todos com a mesma consideração. Tem que amar igualmente todos.
Mas, haverão alguns, bem próximos de você que você terá que ter um amor muito forte para eles.
Elas podem ser próximos porque são da sua casa, ou do seu pequeno grupo, ou da sua área de serviço na igreja. Ou, pode ser que é com eles que você se acha em constante atrito. Seja qual for o motivo, são os tijolos que Jesus, o grande construtor desta casa, colocou próximo de você. Ame eles, com o mesmo amor que você ama a Jesus. E, a igreja dEle ficará bem forte para sempre. Quando falamos uns com os outros, vamos falar como quem está falando com o próprio Senhor Jesus.

www.hermeneutica.com.br
--------------------------------------------------------------------------------
Amando O “Inimigo”

Certa vez um homem foi visitar o pastor dizendo que queriam se divorciar da sua mulher.
O pastor disse, “Mas a Bíblia diz que você deve amar sua esposa como Cristo amou a igreja.”(Efé 5:25).
O homem respondeu, “Mas, eu não consigo. E, de qualquer forma, eu não sou perfeito como Cristo.”
O pastor disse, “Então, se não conseguir assim, lembre que Jesus nos mandou amar o nosso próximo. Você não pode continuar a amar ela como seu próximo?” (Mar 12:33)
O homem disse “Mas, ela me traiu, ela não me trata como próximo dela. Não consigo amar ela como meu próximo.”
“Então,” disse o pastor, “Só tenho mais uma palavra do Senhor. ‘Amai os vossos inimigos’.” (Mat 5:44; Luc 6:27)
-- Erwin Lutzer, "Learning to Love," (Aprendendo a Amar)
Preaching Today (Pregação Para Hoje), Tape No. 99.
Extraido de: hermeneutica.com


--------------------------------------------------------------------------------
Doce Reunião!

Você alguma vez testemunhou uma cena como esta?
Pais jovens desesperados ansiosamente procuram numa grande loja de departamentos sua criança de dois anos. Quem sabe como ou onde, a criancinha deles se perdeu enquanto eles olhavam móveis. O segurança da loja está tomando informações dos pais apavorados… estranhos se unem os esforços de busca… a jovem mãe está à beira de histeria.
Quando ninguém espera, uma mulher com aparência de avó apareça com a criança nos braços dela. Ela salvou o dia! Mas mesmo quando o pequeno menino vê a mãe dele, ele continua chorando incontrolavelmente. O medo que ele sentiu que ele perdeu a mamãe e o papai dele o consumiu. Entre suspiros e soluços, ele literalmente luta para respirar. Seu coração sai para a criança e os pais.
Um evento como este aconteceu comigo e minha esposa quando nossa filha mais nova, Kendra, tinha cerca de quatro anos. Nós a perdemos em um estádio de futebol! Levou vários minutos de procura frenética antes que nós a localizamos. A reunião foi tão doce!
Você alguma vez se viu como uma criança perdida, lutando desesperadamente para respirar … almejando os braços de seu Pai amando?
Isso é um retrato incrível de nossa dependência em Deus que nós nunca devemos superar.
Corra aos braços dele… e respire fundo!
Como a corça anseia por águas correntes, a minha alma anseia por ti, ó Deus. A minha alma tem sede de Deus, do Deus vivo. Quando poderei entrar para apresentar-me a Deus?
- Salmo 42:1-3 NVI
- de ‘O Ponto Central’ (‘The Central Point’) Copyright 2002-2004 © Dennis Wheeler. http://www.studylight.org/col/cp/

Extraido de: hermeneutica.com

sábado, 19 de junho de 2010

O Arrebatamento da Igreja é Iminente...

(MT 24:36,39) "Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos do céu, mas unicamente meu Pai. E, como foi nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, E não o perceberam, até que veio o dilúvio, e os levou a todos, assim será também a vinda do Filho do homem."

Breve resumo dos últimos tempos:

1) - Todas às profecias já se cumpriram, faltando apenas algumas pessoas ainda serem salvas. Com referência à Marcos 13;10(evangelho pregado em todas às nações), considere que Paulo e Lucas, logo após a partida de Jesus aos Céus, pregaram o evangelho em toda à Ásia e parte da Europa (AT 19:10 "E durou isto por espaço de dois anos; de tal maneira que todos os que habitavam na Ásia ouviram a palavra do Senhor Jesus, assim judeus como gregos"). Conclusão: se Paulo conseguiu pregar em dois anos para toda à Ásia e parte da Europa, sem Rede de Rádio, Redes de Televisões Internacionais, Internet, Panfletos, considere que se ainda há quem não ouviu o Evangelho, ainda poderá ser evangelizado no espaço de uma semana ou menos, utilizando-se da tecnologia hoje existente. Não falta mais nada acontecer.
2) - O Arrebatamento da Igreja, só será percebido, porque milhões de pessoas desaparecerão da face da terra (os salvos). Cristo não será visível nesse momento para os que aqui ficarem, pois essa ainda não é a Segunda Vinda de Cristo à terra e sim o evento do Arrebatamento da Igreja, que durará Sete anos (sete anos com Cristo, fora da terra). Somente verão à vinda de Jesus, os Salvos, que serão arrebatados (1TS 4:16) "Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro." A Segunda Vinda de Cristo, só ocorrerá após sete anos de Arrebatada à Igreja (7 anos de governo diabólico na Terra).
3) - Após terem se passado 7 anos do Arrebatamento da Igreja por Jesus Cristo (primeiros 3 anos e meio de aparente paz e após 3 anos e meio de muita tribulação aqui na terra), ai sim ocorrerá a Segunda Vinda de Nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo à Terra. Nesse período de 7 anos, ainda haverá salvação pelo sangue de Cristo Jesus, conforme AP 7:14 "E eu disse-lhe: Senhor, tu sabes. E ele disse-me: Estes são os que vieram da grande tribulação, e lavaram as suas vestes e as branquearam no sangue do Cordeiro." O Espírito Santo, ainda estará na Terra e só não agirá contra o pecado, mas ainda promoverá a salvação (2TS 2:6,7) "E agora vós sabeis o que o detém, para que a seu próprio tempo seja manifestado. "Porque já o mistério da injustiça opera; somente há um que agora resiste até que do meio seja tirado;" Todo o Olho o verá vir em grande glória. Haverá sobre Israel, uma Jerusalém Celestial, onde estarão os salvos, juntamente com Cristo, que nesse momento iniciará 1000 anos de governo sobre toda à Terra.O diabo será preso por 1000 anos (AP 20:2) "Ele prendeu o dragão, a antiga serpente,que é o Diabo e Satanás, e amarrou-o por mil anos." Nesse tempo, todos que estiverem na terra, conhecerão à Cristo e terão chance de salvação. Ainda haverá o livre arbítrio para os que sobreviveram da grande tribulação. Muita paz reinará sobre a terra.
4) - No fim dos 1000 anos, o diabo será novamente solto sobre à terra (um breve tempo) e muitos ainda se perderão e irão para o inferno, pois a carne prima pelo prazer, mesmo momentâneo. (AP 20:7,10) "E, acabando-se os mil anos, Satanás será solto da sua prisão, "E sairá a enganar as nações que estão sobre os quatro cantos da terra, Gogue e Magogue, cujo número é como a areia do mar, para as ajuntar em batalha. "E subiram sobre a largura da terra, e cercaram o arraial dos santos e a cidade amada; e de Deus desceu fogo, do céu, e os devorou. "E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta eo falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre." O coração do homem, mesmo sob o governo perfeito de Jesus Cristo, pode mostrar-se "não convertido" e com isso podemos ver que o homem não salva a sí mesmo, pois nossa natureza é pecaminosa.
5) - Completados os 1000 anos, os não salvos mortos em todas às épocas, desde o início do mundo, serão ressuscitados e julgados diante do grande Trono Branco. Só os não salvos serão ressuscitados.Os salvos, já estarão com Jesus. (AP 20:11,15)"E vi um grande trono branco, e o que estava assentado sobre ele, de cuja presença fugiu a terra e o céu; e não se achou lugar para eles. "E vi os mortos, grandes e pequenos, que estavam diante de Deus, e abriram-se os livros; e abriu-se outro livro, que é o da vida. E os mortos foram julgados pelas coisas que estavam escritas nos livros, segundo as suas obras. "E deu o mar os mortos que nele havia; e a morte eo inferno deram os mortos que neles havia; e foram julgados cada um segundo as suas obras. "E a morte e o inferno foram lançados no lago de fogo.Esta é a segunda morte."E aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo."
6) - Nós os Salvos, já estaremos para sempre com Jesus Cristo, na presença do Deus Eterno e com prazeres nunca gozados pelo homem (AP 22:5) "E ali não haverá mais noite,e não necessitarão de lâmpada nem de luz do sol, porque o Senhor Deus os ilumina; e reinarão para todo o sempre." Já os que não foram salvos, estarão para sempre com o diabo e os seus anjos no lago de fogo e enxofre (MT25:41) "Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos;"
7) - O momento é agora, não há nem um minuto mais a esperar. Se ainda não houve o Arrebatamento, curve-se à Cristo e salve a sua alma do fogo do inferno eterno (JO3:18) "Quem crê Nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do Unigênito Filho de Deus." Vocë ainda tem oportunidade, tome a decisão mais acertada de sua vida e aceite Jesus como seu único e suficiente Salvador (JO 11:25) "Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá;" dobre seus joelhos, e ore (como se estivesse conversando com um amigo) e peça-lhe perdão por todos os seus pecados e prometa-lhe que de agora em diante ele será o seu Mestre e Senhor. Vocë está deixando de ser uma criatura de Deus para ser um filho de Deus (JO 1:12) "Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome;" . Agradeça-lhe por ter morrido por vocë naquela cruz. Nesse momento, o Espírito Santo estará Selando a sua vida e escrevendo o seu nome no Livro da Vida do Cordeiro. Tudo isso, conforme à Bíblia, pela Fé. Procure uma igreja evangélica e fundamente mais a sua vida na mensagem Bíblica. Se tudo isso fizeres, você já é um salvo. A salvação é instantânea e pode acontecer no secreto do seu quarto em casa

Você está-se roubando?

Em um auditório estavam mais 2.000 jovens. O louvor tinha sido incrível e agora um pregador muito famoso falava-lhes. Dizia ele:

“Tenho a impressão de que estou me dirigindo a um bando de ladrões. Não que eu ache que vocês estejam batendo carteiras ou bolsas, mas estão privando-se de muitas coisas boas. Um homem, que viveu há cem anos, disse: 'Aquele que não ora, rouba de si mesmo.' Quem sabe quantas tentações já os derrubaram só porque vocês não oraram? Vocês ficaram sem a solução para seus problemas, sem a restauração de suas amizades, não aprenderam melhor quando estudaram e não tiveram paz, só porque não oraram. Deus tem muito para dar àqueles que oram.

“Disse Jesus: ‘Sem mim nada podeis fazer’. Quer dizer, nada de valor para o reino de Deus. No entanto, os jovens crentes namoram, decidem o que vão estudar, o emprego que querem ter, gastam dinheiro e tudo o mais, sem perguntar nada a Deus. Quem não ora sobre cada detalhe de sua vida, também não precisa fingir que está interessado em fazer a vontade de Deus.”

Se querem parar de roubar de si mesmos e começar a orar, a primeira coisa que têm de fazer é mudar de atitude.

Conte para Jesus todos os seus desejos. Procure conhecê-lo melhor, e permita que ele prove suas intenções e molde suas orações de acordo com a vontade dele, pois ele é quem sabe o que é melhor para você. Converse com Deus como conversaria com seu melhor Amigo.

Lembre-se de que servir a Deus é fazer o que Ele nos diz, e não usá-lo para alcançar nossos próprios objetivos.

Quando a Bíblia diz: “Orai sem cessar” (1Ts 5:17), está nos instruindo a fixar a mente em Jesus o tempo todo, isto é, quando não temos que nos concentrar numa prova de Matemática, ou prestar atenção no jogo de xadrez, ou atender a um cliente em nosso emprego. Um ingrediente indispensável no relacionamento com outros é tempo - conversas estruturadas sobre tópicos específicos, bate-papos e estar na companhia um do outro. A oração incorpora esses três elementos.

A medida que passamos mais tempo com Jesus, Ele vai mudando nossos desejos e petições conformando-os à vontade de Deus. Mas se decidirmos não orar, estaremos privando-nos de muitas coisas que poderíamos alcançar através da oração. Acima de tudo, porém, estamos privando-nos do relacionamento mais bonito e mais importante que se pode imaginar: a amizade com Deus.

Extraído e adaptado do livro Me Dá Mais Uma Chance, Senhor

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Socorro

“Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna.” (Hebreus 4:16 ARA)
Pastores também ficam doentes, missionários também desenvolvem câncer, grandes homens de Deus também encontram dificuldades pelo caminho por onde passam. Até escritores de devocionais enfrentam dificuldades e tempos de deserto. Todos necessitam de socorro, em algum momento e em alguma área de suas vidas.
Nenhum de nós está isento de provações, de dificuldades e de tropeços. Os versículos anteriores a este falam da eficácia de Jesus Cristo como nosso sumo sacerdote, o qual não encontra limitações ou barreiras para interceder em nosso favor. Diferente do sumo sacerdote estabelecido pelo povo de Deus, que também era falho como nós e corria o risco de perder a vida tentando exercer seu ofício. Jesus pode e quer nos socorrer.
É junto ao trono da graça que encontraremos este socorro, ainda que para isso, muitas vezes, tenhamos de ir ao médico, tomar medicamento, ser hospitalizado ou fazer uma cirurgia. Milagres acontecem no pé do altar, mediante a oração de uma pessoa muito simples. Mas também acontecem na UTI do hospital. Deus cura as pessoas pela imposição de mãos, mas também usa um medicamento. Deus age como e quando quiser.
Tenho testemunhado pessoas que tomam meia farmácia e nada funciona. Tenho visto outras orando durante anos e nada acontece. Mas também tenho visto curas tão simples que parece que nem havia enfermidade. Esse é o Nosso Deus, agindo como lhe apraz. Socorrendo no tempo oportuno. Talvez não o mais oportuno para nós, mas certamente oportuno para Ele.
A chave está no ‘confiadamente’. Sem confiar, nem oração nem medicamento farão absolutamente nada. Ou será apenas um processo natural, seguindo as regras da química e da biologia. Eu prefiro ir aos pés do trono, encontrar graça e ser socorrido.
“Pai, obrigado pelo Teu cuidado ao longo de nossas vidas, tanto nos protegendo quanto nos sarando quando necessário. Ensina-me a confiadamente buscar em Ti a cura para meus males.”
Mário Fernandez

domingo, 13 de junho de 2010

O Poder Transformador da Palavra de Deus

O Poder Transformador da Palavra de Deus - Bíblia
Meditando no tema O Poder Transformador da Palavra, deparei-me com este prefácio do Dr. Edwin Louis Cole Fundador e Presidente Christian Men's Network, no livro de Steve Gallagher – No Altar da Idolatria Sexual.

Escrevi certa vez: "O tormento da tentação para pecar é nada, se comparado com as conseqüências do pecado". As conseqüên¬cias podem durar por toda vida ou pela eternidade. São as conseqüências que são tão terrivelmente atormentadoras.
A solução, é claro, como em tudo com o Senhor, está na Palavra de Deus. É n’Ela que encontramos a solução para todos os problemas ou questões enfrentadas pelo homem ou pela mulher. Não existe outro lugar para ajuda como as Escri¬turas. Toda a obra de cura do Senhor começa em Sua Palavra.
A emoção e os pensamentos subjetivos do viciado são: "Sou muito sujo, desmerecedor, iníquo, indigno de ler a Bíblia". Isso é uma mentira! A Palavra de Deus foi escrita para esses homens, a fim de mostrar-lhes o caminho que Jesus Cristo lhes preparou para saírem do buraco que cavaram para si mesmos.
Ou eles dizem: "Errei muito. Como poderei ser bom o suficiente novamente de forma que Deus possa ouvir-me?" Você não fica bom e se aproxima de Deus, você se aproxima dEle, e Ele o torna bom. Aproximar-se de Deus é entrar em Sua Palavra.
A Palavra faz o trabalho!
Leia-A quando se sentir culpado; leia-A quando não tiver coisa alguma para receber dEla; leia-A diante do diabo e das acusações contra você; leia-A mesmo quando não estiver certo de que acre¬dita nEla, apenas leia a Palavra!!
A Palavra faz o trabalho! Ela lava a mente da mesma forma que o sabão lava as mãos. A Palavra é como o sabão, só é eficaz quando usada.
Tudo o que você tem é a Palavra!
O maior erro da vida não é o seu pecado, mas sua falha em deixar de ler a Palavra.
A única maneira de a Palavra poder lavar sua mente e Deus conseguir operar em sua vida é lendo-A.
O cristianismo não é difícil de viver, é impossível. O verdadeiro cristianismo é Cristo vivendo em você. É aí que está a vida de Cristo. Não o que você tenta fazer, mas o que Ele faz em você.
A Palavra não dá atenção ao seu pecado, às suas emoções ou aos seus atos. Ela simplesmente faz a obra quando você A lê.
A Palavra de Deus nunca muda; nós, sim, mudamos.
Ela não nos faz sentir culpados, nós é que imputamos a culpa a nós mesmos. Ela nós dá a direção para nossos sentimentos, hábitos, desejos e nossas necessidades. A Palavra de Deus é nossa fonte de vida e bênção.

Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça. [E é perfeitamente adequado para Deus fazer isso por nós, porque Cristo morreu para lavar nossos pecados]. 1 João 1.9

Que grande verdade escreveu este homem, a Palavra nada mais é que o Grande Balsamo que precisamos, o refrigério para a nossa alma. Como podemos distinguir o que Deus fala? Através da Palavra. Vivemos uma geração que busca muito o emocional e sobrenatural.
Somente a Palavra pode fazer o nosso coração verdadeiramente queimar.
Somente a Palavra pode nos levar ao Sobrenatural.
Somente a Palavra nos revela a intimidade de Deus.
Somente a Palavra pode fazer o justo viver pela Fé.
Somente a Palavra pode avivar as Igrejas.
Somente a Palavra pode unir as igrejas e pastores.
Somente a Palavra redime, justifica e leva-nos a viver uma verdadeira vida com Deus.
Somente a Palavra, e só ela nos da vida e vida em abundância.

sábado, 12 de junho de 2010

Tricotomia - Porque Satanás nos odeia tanto

Tipo: Esboços e estudos bíblicos Como já estudamos, antes da queda Satanás estava no monte santo de Deus, juntamente com um querubim da guarda. “Eu te coloquei com o querubim da guarda; estiveste sobre o monte santo de Deus; andaste no meio das pedras afogueadas.” (Ez 28.14)
Com sua iniqüidade e auto-exaltação, Satanás foi expulso do monte santo de Deus, e retirado do meio das pedras afogueadas. Agora ele é visto atuante no planeta terra, mas envergonhado por Deus. Deus o colocou diante dos “reis” para que fosse visto como motivo de vergonha a todos os que se rebelam contra Ele. (Ler Ezequiel 28.15-17)
Com a queda, a terra ficou desolada e destruída. O Senhor inicia então o cântico da criação, restaurando a terra para colocar sob ela a humanidade:

Deus usou a terra, para produzir ervas e plantas (Gênesis 1.11)
Deus usou a terra para criar os mamíferos (Gênesis 1.24)
Deus usou o firmamento para criar os luminares (Genesis 1.14)
Deus usou as águas para criar os peixes e aves (Gênesis 1.20)

Agora chegou o momento de Deus criar o homem. Neste caso especial, Deus não usou a terra, o firmamento e nem as águas. Deus não queria criar no homem um caráter terreno, por isso pela primeira vez a trindade aparece reunida para criar algo originado diretamente no próprio Deus. Deus usou a si mesmo para criar o homem.

“Criou, pois, Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.” (Gênesis 1.27)

Observe então o princípio da sobrevivência na face da terra:

Tire o animal da terra... e ele não sobrevive.
Tire as plantas da terra... e elas não sobrevivem.
Tire os luminares do firmamento... e eles apagam.
Tire os peixes da água... e eles morrem.
Tire o homem de Deus... e ele será consumido!

Lembro-me da vez em que me desviei da igreja. Era jovem, e estava andando no meio de uma festa oferecida pela igreja católica. Naquele momento eu segurava um copo de cerveja e um maço de cigarros, e uma voz me disse: “Você foi criado por Deus, e para Deus, e só vai ter paz quando estiver com Deus”. Corri imediatamente para a igreja Batista na qual era membro, e subitamente joguei-me de joelhos diante do altar de Deus, ainda antes do momento de apelo. A partir daquele momento jamais desviei-me das minhas origens. Eu pertenço a Deus, e dependo de Deus para viver!
Agora observe mais uma importante revelação. Deus criou o corpo do homem, usando o pó da terra, porém o ser humano, diferente dos animais, não é constituído de corpo, e sim de “espírito”. Deus é espírito, e fomos feitos de Deus.
O corpo foi o melhor presente que Deus poderia ter dado ao homem, pois através do corpo poderíamos interagir com o mundo físico. Diferente dos demônios caídos, temos alguns privilégios que certamente causam inveja em Satanás:

Podemos comer e saborear.
Podemos tocar e sentir.
Podemos cheirar.

Que belo presente. Apesar de sermos seres espirituais, podemos viver nesta terra durante uma vida terrena, e interagir com toda a criação de Deus. Agora entendemos porque Satanás precisa tanto possuir vidas; entendemos também o motivo de seu ódio pela criação de Deus. Ele te odeia porque você existe e é o que é, e sua maior e principal missão é te fazer não perceber o seu valor e poder, e transforma-lo semelhante a ele.
Fomos criados imagem e semelhança de Deus, mas a maior parte da humanidade tem se parecido muito mais com Satanás e seus demônios. Falaremos detalhadamente sobre isso mais adiante.
Deus criou o homem, corpo, alma e espírito, e o presenteou com uma poderosa vocação, que foi tirada das mãos de Satanás. A capacidade de adorar. Por isso ele fica furioso quando adoramos ao Senhor! A terra foi criada para nós. Devemos administra-la e ser servidos por ela. O homem passa a ter autoridade espiritual quando entende a sua posição na face da terra.

A FORMAÇÃO DO HOMEM (ESPÍRITO, ALMA E CORPO)

“E o próprio Deus de paz vos santifique completamente; e o vosso espírito, e alma e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Ts 5.23)

Diferentemente dos animais, o ser humano possui três partes distintas: ESPIRITO, ALMA E CORPO. Esse princípio teológico é denominado de TRICOTOMIA.

Estas três partes devem ser cuidadas e tratadas para a perfeita habitação do Espírito de Deus. Desde o princípio da criação Deus tinha o propósito de habitar no coração do homem, assim como era com Adão, antes do pecado. Em Gênesis 2.7 observamos a criação do homem (Adão), sendo assim dividido:


Formou o Senhor Deus o homem do pó da terra (corpo)
Soprou-lhe nas narinas o fôlego da vida (espírito)
O homem tornou-se alma vivente (alma)

Quando Deus criou o homem, observou que a natureza carnal (carne) prejudicava a relação entre Ele e o homem. Deus queria que o homem vivesse muito mais tempo sobre a face da terra, mas a natureza carnal gerou no coração de Deus a necessidade de dar ao homem apenas 120 anos de vida.

“Então, disse o Senhor: não contenderá o meu Espírito para sempre com o homem, porque ele também é carne... porém os seus dias serão cento e vinte anos” (Gn 6.3)

O espírito humano é o ponto de contato com Deus. É o elo colocado por Deus no homem, de forma que o homem possa discernir as coisas espirituais.

“Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque para ele são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Mas o que é espiritual discerne bem tudo, enquanto ele por ninguém é discernido.” (1 Co 2.14,15)

Aí está explicita a necessidade de sermos espirituais. O homem carnal não consegue uma comunhão com o Criador, porém o que é espiritual, facilmente discerne o mundo espiritual. Adão, o primeiro homem, foi criado com toda perfeição. Ele tinha um corpo modelado diretamente pelas mãos de Deus, tinha uma alma pura, pacífica, limpa de traumas, tristezas, medos e decepções. Além disso Adão tinha um espírito reto e inabalável, o que permitia que ele tivesse comunhão direta com o Senhor, 24 horas por dia.
Já a alma, é a patente natural e individual de cada homem. A alma é tudo que o homem é, é seu ego. Ela está entre o Espírito e o corpo, sendo ligada ao mundo espiritual através do espírito e ao mundo material através do corpo. Ela é a sede dos afetos, e habita dentro de si sentimento, simpatias, desejos, emoções, medo, alegria, vontade, prazer, ódio, amos, tristezas, etc.
O corpo é a forma visível, é a embalagem ser humano; é nosso homem exterior. Graças ao corpo podemos nos relacionar com o mundo exterior. O corpo é físico, palpável, ele pode se corromper, ao contrário da alma.
Na figura a seguir, vemos o estado inicial do homem (antes da queda). Quando o Espírito Santo quer falar com o homem, ele se comunica com o espírito humano, este, por sua vez transmite este conhecimento ao cérebro, de forma que entendamos o que Deus falou. É um caminho longo, que precisa de santificação e comunhão com o Espírito Santo para que o canal de comunicação com o Senhor esteja permanentemente “aberto”.
Deus criou o homem com espírito, alma e corpo, e devemos tratar com toda a importância de cada uma destas partes, pois cada uma delas tem uma função especial para a vida do homem.

Faculdades do espírito:

Trabalha com o corpo físico e com a alma, com os anjos, com o Espírito Santo de Deus, etc, etc...
Razão, sabedoria, conhecimento, força, poder
Intuição
Comunhão espiritual com Deus

Faculdades da alma:

Trabalha única e exclusivamente para e com o nosso corpo físico e espiritual
Emoções – Sentimentos, gostos, alegrias, tristezas, amor, ódio, etc
Intelecto – pensamentos, raciocínios, memória
Vontade – Usada para tomar decisões. Poder de escolha

Faculdades corpo: (os 5 sentidos)

Fala - expressão dos pensamentos da alma, através das cordas vocais
Audição - pela audição recebemos informações e armazenamos na alma
Visão – pela visão, fotografamos e armazenamos informações na alma
Olfato - equivalente a audição e visão
Tato – graças ao tato podemos sentir, tocar, pegar as coisas materiais

Nota: o corpo humano é corruptível, durando apenas algumas décadas, porém aos que viverem com Cristo, terão um novo corpo glorificado, incorruptível e eterno.

“...mas ainda que o nosso homem exterior se esteja consumindo, o interior, contudo, se renova de dia em dia.” (2 Co 4.16)


A QUEDA DO HOMEM COMO CONSEQUENCIA DO PECADO

“Os vossos pecados fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados esconderam o seu rosto de vós, de modo que não vos ouça.”
(Isaías 59.2)

O homem foi criado imagem e semelhança de Deus; foi criado para ter comunhão com o Altíssimo (como no caso de Adão). Adão era perfeito em corpo, alma e espírito, e por isso possuía uma grande comunhão com o Senhor, porém com o pecado de Adão, foi trazido o pecado para todo homem. Este primeiro pecado originou a queda espiritual da humanidade.

A partir deste momento:

O homem tornou-se fugitivo de Deus (Gn 3.9,10)
Perdeu a proteção de Deus
Sofreu profundas transformações interiores (devido a não ser governado pelo Espírito de Deus, e sim pelos desejos da carne e influencias de satanás. Deixou de ser espiritual e se tornou carnal)
Foi tomado por um coração enganoso. (Jr 17.9)

Nota: Com a queda o ser humano não deixou de ser tricotômico, porém seu espírito entrou em um estado de dormência, aguardando a possibilidade de se reconciliar com Deus.

O ganhador de almas

Tipo: Esboços e estudos bíblicos

"Aquele que ganha almas, sábio é" (Provérbios 11:30b)

1) Diferença entre ganhar corpo e ganhar alma

- Alma é o centro das emoções; o centro da vida. Jesus pode tratar das almas, transformando-nos de dentro para fora.
- Alma não é um vulto branco que vaga pelo cemitério. Todos temos uma alma que precisa ser tratada por Deus.
- Muitos recebem Jesus apenas no corpo, mas a alma continua ferida precisando de um encontro com Deus.

2) O que acontece quando ganhamos apenas o corpo

- Criamos hipócritas (atores)
- Trabalhamos de fora para dentro, e não de dentro para fora.
- Tratamos superficialmente
- Ignoramos o maior problema de cada um de nós

3) Métodos fúteis ganham apenas corpo

- Sonegação do ensino da Palavra
- Falta de discipulado
- Falta de aconselhamento
- Falta de amor real pelas vidas

4) Métodos sábios para ganhadores de alma

- Consolidação eficaz
- Ganhar a confiança
- Bom testemunho
- Encontro com Deus
- Cura Interior

5) Porque nossa alma precisa de Jesus

Porque a alma representa o lugar santo do templo. É o lugar onde adoramos a Deus. Na alma encontra-se a sede de todas as nossas emoções; é lá que o folego da vida inicia seu trabalho.
Com a alma liberta o homem passa a ver o mundo de outra maneira, e pode gozar do grande potencial de conquista que Jesus Cristo entregou para cada um de nós!

Entregue tua alma a Jesus!!!

domingo, 6 de junho de 2010

A Crucificação de Cristo, a partir de um ponto de vista médico


C. Truman Davis

Lendo o livro de Jim Bishop “O Dia Que Cristo Morreu”, eu percebi que durante vários anos eu tinha tornado a crucificação de Jesus mais ou menos sem valor, que havia crescido calos em meu coração sobre este horror, por tratar seus detalhes de forma tão familiar – e pela amizade distante que eu tinha com nosso Senhor. Eu finalmente havia percebido que, mesmo como médico, eu não entendia a verdadeira causa da morte de Jesus. Os escritores do evangelho não nos ajudam muito com este ponto, porque a crucificação era tão comum naquele tempo que, aparentemente, acharam que uma descrição detalhada seria desnecessária. Por isso só temos as palavras concisas dos evangelistas “Então, Pilatos, após mandar açoitar a Jesus, entregou-o para ser crucificado.”
Eu não tenho nenhuma competência para discutir o infinito sofrimento psíquico e espiritual do Deus Encarnado que paga pelos pecados do homem caído. Mas parecia a mim que como um médico eu poderia procurar de forma mais detalhada os aspectos fisiológicos e anatômicos da paixão de nosso Senhor. O que foi que o corpo de Jesus de Nazaré de fato suportou durante essas horas de tortura?
Dados históricos
Isto me levou primeiro a um estudo da prática de crucificação, quer dizer, tortura e execução por fixação numa cruz. Eu estou endividado a muitos que estudaram este assunto no passado, e especialmente para um colega contemporâneo, Dr. Pierre Barbet, um cirurgião francês que fez uma pesquisa histórica e experimental exaustiva e escreveu extensivamente no assunto.
Aparentemente, a primeira prática conhecida de crucificação foi realizado pelos persas. Alexandre e seus generais trouxeram esta prática para o mundo mediterrâneo–para o Egito e para Cartago. Os romanos aparentemente aprenderam a prática dos cartagineses e (como quase tudo que os romanos fizeram) rapidamente desenvolveram nesta prática um grau muito alto de eficiência e habilidade. Vários autores romanos (Lívio, Cícero, Tácito) comentam a crucificação, e são descritas várias inovações, modificações, e variações na literatura antiga.
Por exemplo, a porção vertical da cruz (ou “stipes”) poderia ter o braço que cruzava (ou “patibulum”) fixado cerca de um metro debaixo de seu topo como nós geralmente pensamos na cruz latina. A forma mais comum usada no dia de nosso Senhor, porém, era a cruz “Tau”, formado como nossa letra “T”. Nesta cruz o patibulum era fixado ao topo do stipes. Há evidência arqueológica que foi neste tipo de cruz que Jesus foi crucificado. Sem qualquer prova histórica ou bíblica, pintores Medievais e da Renascença nos deram o retrato de Cristo levando a cruz inteira. Mas o poste vertical, ou stipes, geralmente era fixado permanentemente no chão no local de execução. O homem condenado foi forçado a levar o patibulum, pesando aproximadamente 50 quilos, da prisão para o lugar de execução.
Muitos dos pintores e a maioria dos escultores de crucificação, também mostram os cravos passados pelas palmas. Contos romanos históricos e trabalho experimental estabeleceram que os cravos foram colocados entre os ossos pequenos dos pulsos (radial e ulna) e não pelas palmas. Cravos colocados pelas palmas sairiam por entre os dedos se o corpo fosse forçado a se apoiar neles. O equívoco pode ter ocorrido por uma interpretação errada das palavras de Jesus para Tomé, “vê as minhas mãos”. Anatomistas, modernos e antigos, sempre consideraram o pulso como parte da mão.
Um titulus, ou pequena placa, declarando o crime da vítima normalmente era colocado num mastro, levado à frente da procissão da prisão, e depois pregado à cruz de forma que estendia sobre a cabeça. Este sinal com seu mastro pregado ao topo teria dado à cruz um pouco da forma característica da cruz latina.
O suor como gotas de sangue
O sofrimento físico de Jesus começou no Getsêmani. Em Lucas diz: “E, estando em agonia, orava mais intensamente. E aconteceu que o seu suor se tornou como gotas de sangue caindo sobre a terra.” (Lc 22:44) Todos os truques têm sido usados por escolas modernas para explicarem esta fase, aparentemente seguindo a impressão que isto não podia acontecer. No entanto, consegue-se muito consultando a literatura médica. Apesar de muito raro, o fenômeno de suor de sangue é bem documentado. Sujeito a um stress emocional, finos capilares nas glândulas sudoríparas podem se romper, misturando assim o sangue com o suor. Este processo poderia causar fraqueza e choque. Atenção médica é necessária para prevenir hipotermia.
Após a prisão no meio da noite, Jesus foi levado ao Sinédrio e Caifás o sumo sacerdote, onde sofreu o primeiro traumatismo físico. Jesus foi esbofeteado na face por um soldado, por manter-se em silêncio ao ser interrogado por Caifás. Os soldados do palácio tamparam seus olhos e zombaram dele, pedindo para que identificasse quem o estava batendo, e esbofeteavam a Sua face.
A condenação
De manhã cedo, Jesus, surrado e com hematomas, desidratado, e exausto por não dormir, é levado ao Pretório da Fortaleza Antônia, o centro de governo do Procurador da Judéia, Pôncio Pilatos. Você deve já conhecer a tentativa de Pilatos de passar a responsabilidade para Herodes Antipas, tetrarca da Judéia. Aparentemente, Jesus não sofreu maus tratos nas mãos de Herodes e foi devolvido a Pilatos. Foi em resposta aos gritos da multidão que Pilatos ordenou que Bar-Abbas fosse solto e condenou Jesus ao açoite e à crucificação.
Há muita diferença de opinião entre autoridades sobre o fato incomum de Jesus ser açoitado como um prelúdio à crucificação. A maioria dos escritores romanos deste período não associam os dois. Muitos peritos acreditam que Pilatos originalmente mandou que Jesus fosse açoitado como o castigo completo dele. A pena de morte através de crucificação só viria em resposta à acusação da multidão de que o Procurador não estava defendendo César corretamente contra este pretendente que supostamente reivindicou ser o Rei dos judeus.
Os preparativos para as chicotadas foram realizados quando o prisioneiro era despido de suas roupas, e suas mãos amarradas a um poste, acima de sua cabeça. É duvidoso se os Romanos teriam seguido as leis judaicas quanto às chicotadas. Os judeus tinham uma lei antiga que proibia mais de 40 (quarenta) chicotadas.
O açoite
O soldado romano dá um passo a frente com o flagrum (açoite) em sua mão. Este é um chicote com várias tiras pesadas de couro com duas pequenas bolas de chumbo amarradas nas pontas de cada tira. O pesado chicote é batido com toda força contra os ombros, costas e pernas de Jesus. Primeiramente as pesadas tiras de couro cortam apenas a pele. Então, conforme as chicotadas continuam, elas cortam os tecidos debaixo da pele, rompendo os capilares e veias da pele, causando marcas de sangue, e finalmente, hemorragia arterial de vasos da musculatura.
As pequenas bolas de chumbo primeiramente produzem grandes, profundos hematomas, que se rompem com as subseqüentes chicotadas. Finalmente, a pele das costas está pendurada em tiras e toda a área está uma irreconhecível massa de tecido ensangüentado. Quando é determinado, pelo centurião responsável, que o prisioneiro está a beira da morte, então o espancamento é encerrado.
Então, Jesus, quase desmaiando é desamarrado, e lhe é permitido cair no pavimento de pedra, molhado com Seu próprio sangue. Os soldados romanos vêm uma grande piada neste Judeu, que se dizia ser o Rei. Eles atiram um manto sobre os seus ombros e colocam um pau em suas mãos, como um cetro. Eles ainda precisam de uma coroa para completar a cena. Um pequeno galho flexível, coberto de longos espinhos é enrolado em forma de uma coroa e pressionado sobre Sua cabeça. Novamente, há uma intensa hemorragia (o couro do crânio é uma das regiões mais irrigadas do nosso corpo).
Após zombarem dele, e baterem em sua face, tiram o pau de suas mãos e batem em sua cabeça, fazendo com que os espinhos se aprofundem em sua cabeça. Finalmente, cansado de seu sádico esporte, o manto é retirado de suas costas. O manto, por sua vez, já havia aderido ao sangue e grudado nas feridas. Como em uma descuidada remoção de uma atadura cirúrgica, sua retirada causa dor toturante. As feridas começam a sangrar como se ele estivesse apanhando outra vez.

//


A cruz
Em respeito ao costume dos judeus, os romanos devolvem a roupa de Jesus. A pesada barra horizontal da cruz á amarrada sobre seus ombros, e a procissão do Cristo condenado, dois ladrões e o destacamento dos soldados romanos para a execução, encabeçado por um centurião, começa a vagarosa jornada até o Gólgota. Apesar do esforço de andar ereto, o peso da madeira somado ao choque produzido pela grande perda de sangue, é demais para ele. Ele tropeça e cai. As lascas da madeira áspera rasgam a pele dilacerada e os músculos de seus ombros. Ele tenta se levantar, mas os músculos humanos já chegaram ao seu limite.
O centurião, ansioso para realizar a crucificação, escolhe um observador norte-africano, Simão, um Cirineu, para carregar a cruz. Jesus segue ainda sangrando, com o suor frio de choque. A jornada de mais de 800 metros da fortaleza Antônia até Gólgota é então completada. O prisioneiro é despido – exceto por um pedaço de pano que era permitido aos judeus.
A crucificação
A crucificação começa: Jesus é oferecido vinho com mirra, um leve analgésico. Jesus se recusa a beber. Simão é ordenado a colocar a barra no chão e Jesus é rapidamente jogado de costas, com seus ombros contra a madeira. O legionário procura a depressão entre os osso de seu pulso. Ele bate um pesado cravo de ferro quadrado que traspassa o pulso de Jesus, entrando na madeira. Rapidamente ele se move para o outro lado e repete a mesma ação, tomando o cuidado de não esticar os ombros demais, para possibilitar alguma flexão e movimento. A barra da cruz é então levantada e colocado em cima do poste, e sobre o topo é pregada a inscrição onde se lê: “Jesus de Nazaré, Rei dos Judeus”.
O pé esquerdo agora é empurrado para trás contra o pé direito, e com ambos os pés estendidos, dedos dos pés para baixo, um cravo é batido atraves deles, deixando os joelhos dobrados moderadamente. A vítima agora é crucificada. Enquanto ele cai para baixo aos poucos, com mais peso nos cravos nos pulsos a dor insuportável corre pelos dedos e para cima dos braços para explodir no cérebro – os cravos nos pulsos estão pondo pressão nos nervos medianos. Quando ele se empurra para cima para evitar este tormento de alongamento, ele coloca seu peso inteiro no cravo que passa pelos pés. Novamente há a agonia queimando do cravo que rasga pelos nervos entre os ossos dos pés.
Neste ponto, outro fenômeno ocorre. Enquanto os braços se cansam, grandes ondas de cãibras percorrem seus músculos, causando intensa dor. Com estas cãibras, vem a dificuldade de empurrar-se para cima. Pendurado por seus braços, os músculos peitorais ficam paralisados, e o músculos intercostais incapazes de agir. O ar pode ser aspirado pelos pulmões, mas não pode ser expirado. Jesus luta para se levantar a fim de fazer uma respiração. Finalmente, dióxido de carbono é acumulado nos pulmões e no sangue, e as cãibras diminuem. Esporadicamente, ele é capaz de se levantar e expirar e inspirar o oxigênio vital. Sem dúvida, foi durante este período que Jesus consegui falar as sete frases registradas:
Jesus olhando para os soldados romanos, lançando sorte sobre suas vestes disse: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem. “ (Lucas 23:34)
Ao ladrão arrependido, Jesus disse: “Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso.” (Lucas 23:43)
Olhando para baixo para Maria, sua mãe, Jesus disse: “Mulher, eis aí teu filho.” E ao atemorizado e quebrantado adolescente João, “Eis aí tua mãe.” (João 19:26-27)
O próximo clamor veio do início do Salmo 22, “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”
Ele passa horas de dor sem limite, ciclos de contorção, câimbras nas juntas, asfixia intermitente e parcial, intensa dor por causa das lascas enfiadas nos tecidos de suas costas dilaceradas, conforme ele se levanta contra o poste da cruz. Então outra dor agonizante começa. Uma profunda dor no peito, enquanto seu pericárdio se enche de um líquido que comprime o coração.
Lembramos o Salmo 22 versículo 14 “Derramei-me como água, e todos os meus ossos se desconjuntaram; meu coração fez-se como cera, derreteu-se dentro de mim.”
Agora está quase acabado – a perda de líquidos dos tecidos atinge um nível crítico – o coração comprimido se esforça para bombear o sangue grosso e pesado aos tecidos – os pulmões torturados tentam tomar pequenos golpes de ar. Os tecidos, marcados pela desidratação, mandam seus estímulos para o cérebro.
Jesus clama “Tenho sede!” (João 19:28)
Lembramos outro versículo do profético Salmo 22 “Secou-se o meu vigor, como um caco de barro, e a língua se me apega ao céu da boca; assim, me deitas no pó da morte.”
Uma esponja molhada em “posca”, o vinho azedo que era a bebida dos soldados romanos, é levantada aos seus lábios. Ele, aparentemente, não toma este líquido. O corpo de Jesus chega ao extremo, e ele pode sentir o calafrio da morte passando sobre seu corpo. Este acontecimento traz as suas próximas palavras – provavelmente, um pouco mais que um torturado suspiro “Está consumado!”. (João 19:30)
Sua missão de sacrifício está concluída. Finalmente, ele pode permitir o seu corpo morrer.
Com um último esforço, ele mais uma vez pressiona o seu peso sobre os pés contra o cravo, estica as suas pernas, respira fundo e grita seu último clamor: “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito!” (Lucas 23:46).
O resto você sabe. Para não profanar a Páscoa, os judeus pediam para que o réus fossem despachados e removidos das cruzes. O método comum de terminar uma crucificação era por crucificatura, quebrando os ossos das pernas. Isto impedia que a vítima se levantasse, e assim eles não podiam aliviar a tensão dos músculos do peito e logo sufocaram. As pernas dos dois ladrões foram quebradas, mas, quando os soldados chegaram a Jesus viram que não era necessário.
Conclusão
Aparentemente, para ter certeza da morte, um soldado traspassou sua lança entre o quinto espaço das costelas, enfiado para cima em direção ao pericárdio, até o coração. O verso 34 do capítulo 19 do evangelho de João diz: “E imediatamente verteu sangue e água.” Isto era saída de fluido do saco que recobre o coração, e o sangue do interior do coração. Nós, portanto, concluímos que nosso Senhor morreu, não de asfixia, mas de um enfarte de coração, causado por choque e constrição do coração por fluidos no pericárdio.
Assim nós tivemos nosso olhar rápido – inclusive a evidência médica – daquele epítome de maldade que o homem exibiu para com o Homem e para com Deus. Foi uma visão terrível, e mais que suficiente para nos deixar desesperados e deprimidos. Como podemos ser gratos que nós temos o grande capítulo subseqüente da clemência infinita de Deus para com o homem – o milagre da expiação e a expectativa da manhã triunfante da Páscoa.
© Copyright C. Truman Davis
C. Truman Davis é um Oftalmologista nacionalmente respeitado, vice-presidente da Associação Americana de Oftalmologia, e uma figura ativa no movimento de escolas Cristãs. Ele é o fundador e presidente do excelente Trinity Christian School em Mesa, Arizona, e um docente do Grove City College.
Extraido de: www.hermeneutica.com]

http://www.hermeneutica.com/estudos/crucificacao.html