sábado, 27 de março de 2010

Livramento pelo Sangue


Hebreus 9:22; 10:29-31

Introdução:

O eterno propósito de Deus, de salvar o homem, vem desde a fundação do mundo, Ap. 3:8. Na sua onisciência ele anteviu a que do homem e destinou Jesus, nossa justiça (Je. 23:6), para morrer e satisfazer a justa exigência da justiça divina divina. Cumprindo a sentença que os nossos pecados mereciam. O sangue de Jesus Cristo nos garante livramento, proteção e vitória. A rejeição deste precioso sangue resulta em castigo. Horrenda coisa e cair nas mãos do Deus vivo!

1. Efeitos indiretos ou mediatos do sangue de Jesus
a) Nas vestes de Adão e Eva, Gn. 3:21
b) Na porta da casa dos Israelitas, Ex. 12:7, 13 e 22
c) Na casa de Raabe ( cordão escarlate ) Js. 2:18
d) Nas vestes do sacerdote, Ex. 29:20-21

2. Efeitos diretos ou mediatos do sangue de Jesus
a) Remissão e justificação, Rm. 5:9
b) Purificação e remissão, Tt. 2:14 e 1 Jo. 1:7
c) Resgate e mudança de atitude, 1 Pe. 1:18-19
d) Salvação, Ap. 5:9; 22:14 e Tt. 3:5
e) Armamento contra Satanás, Ap. 12:11
f) Abertura do caminho (o véu rasgado), Hb.10:19 e 20
g) Remédio único para apagar pecados, Hb. 9:22

3. Efeitos da rejeição do sangue de Jesus, Hb. 10:29-31
a) Calcar o filho de Deus (buscar outro meio)
b) Considerar como imundo o divino sangue – profanar (não dar a ele o devido valor).

Conclusão:

Jesus pagou alto preço por nossa liberdade. O seu sangue já se derramou no calvário a fim de proporcionar-nos o livramento seguro, pleno e eterno, desde que não haja rejeição da nossa parte.