sábado, 11 de outubro de 2008

JESUS ESTÁ VOLTANDO!!!


Descoberto em mina da África ecossistema de uma espécie só
Nova espécie poderia continuar vivendo mesmo se todos os outros seres do planeta desaparecessem

Carlos Orsi, do estadao.com.br
Tamanho do texto? A A A A
Clique para Ampliar
Greg Wanger e Gordon Southam/Divulgação

D. audaxviator, coletado na água retirada de mina na África
SÃO PAULO - Dentro de uma mina de ouro da África do Sul, numa fenda da rocha cheia de água, a 2,8 km de profundidade, vive a bactéria Desulforudis audaxviator - e mais ninguém. Longe da luz do sol e sem nenhuma outra criatura para lhe servir de alimento, a audaxviator ("viajante audaz", em latim: o nome é citação de uma frase latina que aparece em Viagem ao Centro da Terra, de Jules Verne) usa a radiação do urânio presente nas rochas como fonte de energia e os minerais e gases dissolvidos na água como matéria-prima para produzir tudo de que precisa, inclusive mais cópias de si mesma. Trata-se do primeiro ecossistema completo de uma espécie só já encontrado.


Meteorito contém componentes de DNA e RNA, diz estudo



"Ela constrói moléculas orgânicas incorporando carbono inorgânico e nitrogênio da amônia e nitrogênio elementar", explica o cientista Dylan Chivian, do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley, nos EUA, principal autor do artigo que descreve a descoberta, publicado na edição desta semana da revista Science. "A biodensidade na fenda é baixa demais para que as bactérias vivas consigam reciclar o material das células mortas".



A independência da bactéria em relação às demais formas de vida da Terra é tamanha que se algum tipo de catástrofe, como uma guerra nuclear, eliminasse toda a biosfera terrestre, a audaxviator provavelmente nem se daria conta. "Se a catástrofe não perturbasse a crosta a uma profundidade de 2,8 km, onde ela está vivendo, sim, ela continuaria", diz Chivian.



Com a exceção da audaxivaitor, todos os demais seres vivos da Terra dependem de outras formas de vida para continuar existindo: animais precisam do oxigênio gerado pelas plantas, plantas precisam de animais para polinização e de bactérias para fixar nitrogênio, bactérias precisam da matéria orgânica gerada por animais e plantas para se alimentar. Mas a descoberta da audaxviator indica que esse arranjo não é obrigatório, e pode não se repetir em outros planetas.



"O estilo de vida dessa bactéria prova que vida pode existir sem precisar da interdependência entre organismos, e que vida pode existir sem ser baseada em energia solar", diz Chivian. "O fato de que comunidades não são necessárias tem implicações profundas para a vida em outras partes do Universo".



Mas, diz o cientista, o fato de a audaxviator ser auto-suficiente hoje não significa que ela tenha evoluído sozinha. De acordo com os autores da descoberta, seu genoma, que contém genes capazes de desempenhar todas as funções de um ecossistema, foi montado com "doações" de outras criaturas.



Por meio de um processo chamado transferência horizontal, microorganismos conseguem trocar material genético entre si, mesmo sem manter relação de descendência. A audaxviator, por exemplo, parece ter assimilado genes de arqueanos - uma linhagem de seres microscópicos diferente das bactérias. "Isso sugere que a evolução de um colonizador tão flexível pode acontecer melhor em um planeta rico, com diversidade de organismos, em vez de com uma linha só, evoluindo suas capacidades em isolamento", diz Chivian.